Contactos

Luanda - Angola | Maputo - Moçambique

Entre em contacto.

Estamos na semana global do empreendedorismo, e porque não aproveitar e falar um pouco sobre o que isso de empreendedorismo e qual é o impacto e sua aplicação na cultura Hip-Hop.

Bora?

Mas afinal de contas o que é Empreendedorismo?

Na sua definição mais geral, Empreendedorismo é o processo de concepção, lançamento e gestão de um novo negócio, geralmente de caracter “inovador”.

As pessoas que criam esses negócios são frequentemente chamadas de empreendedores.

Mas espera, qual é a diferença entre o empreendedor e o empresário?

O empreendedor deve ser alguém que tem a capacidade de identificar problemas e oportunidades, desenvolver soluções e investir recursos na criação de algo positivo para a sociedade.

No caso do empresário, ele pode até possuir algumas das características do empreendedor, mas suas competências estarão sempre voltadas para a manter o negócio ou da empresa a funcionar, não importa como.

Empresários abrem suas empresas, mas muitos compram ou herdam negócios prontos.

E assim, optam por administrá-los sem grandes inovações, seguindo a risca a forma como já estava a ser gerido.

Já o empreendedor, ele cria o negócio do zero, com suas ideias, pensamentos, criatividade.

Ou seja, não segue “fórmulas já existentes”.

Voltando ao que nos interessa…

Os dos pilares do Hip-Hop moderno é o chamado “EMPREENDEDORISMO DE RUA”. ✅

Que é o espírito de motivação que os integrantes da cultura hip hop têm de se auto-empregar, de ser inventivo, criativo e auto-instruído.

É o espírito da auto-criação, a urgência em criar e vender seus próprios talentos, descobertas e invenções, que é encorajada por esses ensinamentos.

Seus praticantes são conhecidos como “Hustlers e “Self-Starters”.

Popularizado por pessoas como Madame C.J. Walker, Russell Simmons, Luther Campbell, Sean Puffy Combs, Jack the Rapper, Robert Townsend, Eazy-E, Too Short, entre outros.

Vamos falar um pouco sobre 8 dos maiores empreendedores que o Hip-Hop já viu e o que fizeram.

1. Russell Simmons

Conhecido como “o padrinho do hip-hop”, Simmons fez sua primeira fortuna vendendo por $100 milhões.

Ele criou a famosa Gravadora de Hip-Hop “Def Jam”, para a Universal Music.

Depois, vendeu a marca de vestuário criada por ele, a Phat Farm, por $140 milhões.

Há cinco anos, lançou um cartão de débito pré-pago para pessoas negras que não têm conta bancária. O cartão vem fazendo sucesso ao longo da crise dos empréstimos “subprime”.

Recentemente ele assumiu o desafio de promover a literatura financeira entre os jovens fãs de hip-hop.

2. Shawn Porter (Jay Z)

A biografia de Jay Z, Empire State of Mind: Como Jay-Z foi de Street Corner para Corner Office, faz referência a seu sucesso de 2009 e detalha a jornada do rapper de um projeto habitacional no Brooklyn, Nova York, para ser um dos homens mais ricos do hip hop.

O rapper fez uma série de negócios multimilionários entre 2000 e 2010, incluindo a venda de sua marca de moda Rocawear por $204 milhões em 2007 e um acordo de $150 milhões com a Live Nation em 2008, que o fez deixar os registros da Def Jam.

Sua sequência de projetos paralelos inclui ser proprietário de bares esportivos e hotéis, trabalhar em marketing com clientes como Budweiser, ser proprietário de parte da equipe NBA do Brooklyn Nets e co-proprietário de várias gravadoras e agências de entretenimento como a famosa “Roc Nation”.

3. Sean Combs (P Diddy)

Combs cresceu em um projeto de habitação pública no Harlem, na cidade de Nova York, e abandonou o negócio com especialização na Howard University, mas isso não o impediu de abrir uma das gravadoras de maior sucesso da indústria.

Combs começou no negócio como estagiário de gravadora e começou a promover shows de caridade.

Ele estabeleceu a Bad Boy Records na Era de Ouro do hip hop, assinando com o Notorious B.I.G. e trabalhando com Mary J. Blige, Usher, TLC, Mariah Carey, Boyz II Men, Aretha Franklin e outros, além de lançar sua própria carreira musical de sucesso.

Mais recentemente, ele ajudou a lançar Revolt TV e Revolt Films, que esteve envolvida no blockbuster de 2012, Lawless.

4. Andre Young (Dr Dre)

Foi relatado que o Dr. Dre se tornou o primeiro bilionário do hip hop quando vendeu a empresa de fones de ouvido Beats, que garantiu dois terços do mercado de fones de ouvido premium, para a Apple por $3 bilhões em maio de 2014.

Tyrese Gibson fez o bilionário se gabar em um vídeo no Facebook.

Antes de entrar no negócio de acessórios, ele teve uma carreira musical de enorme sucesso nas décadas de 1990 e 2000, e também foi responsável por descobrir, produzir e promover alguns dos maiores artistas da indústria das últimas duas décadas, incluindo Eminem, Snoop Dog, 50 Cent e , e mais recentemente, Kendrick Lamar.

5. Curtis Jackson (50 Cent)

Curtis Jackson foi um rapper de sucesso descoberto pelo Dr. Dre e lançou sua carreira com o disco Get Rich or Die Tryin ’em 2003. Mas o ex-traficante confessado e vítima de tiroteio ficou seriamente rico com a venda de Vitaminwater para a Coca Cola em 2007. As estimativas colocam sua parte no negócio em £100 milhões após os impostos.

Desde o acordo, ele trabalhou em outros produtos, incluindo parceria com a Right Guard para lançar um desodorante e uma linha de preservativos, e assinar com a Steiner Sports.

6. Bryan Williams (Birdman)

Williams fundou a Cash Money Records com seu irmão e dizem que ganhou uma fortuna de $160 milhões, tornando-o o quarto rapper mais rico da Forbes. Conseguiu assinar com alguns dos maiores grupos de hip hop da atualidade, incluindo Drake, Nicki Minaj e Lil Wayne, e até mesmo a socialite e estrela de reality Paris Hilton.

7. Percey Miller (Master P)

Percy Robert Miller se tornou famoso como rapper no início dos anos 1990, mas passou a jogar por dois times da NBA, atuar e investir em uma variedade de setores. Seu início precoce no gênero e no estilo empreendedor o levou a ser identificado como um dos primeiros artistas de hip hop a se interessar pelos aspectos de varejo da indústria.

É o fundador e CEO do conglomerado P. Miller Enterprises, que atua no ramo financeiro e de entretenimento e também da Better Black TV além da No Limit Records, uma das maiores e mais influentes gravadoras independentes que hip-hop já viu.

8. Ermias Asghedom (Nipsey Hussle)

O apelido de Hussle veio de seu espírito empreendedor. Ele engraxou sapatos por $2,50 para pagar roupas escolares aos 11 anos, com uma meta de cem sapatos por dia. Hussle vendeu suas mixtapes no porta-malas de um carro em um shopping de bairro no cruzamento da Slauson Avenue com o Crenshaw Boulevard. Depois de deixar a Epic Records, ele fundou sua própria gravadora. Hussle experimentou estratégias de vendas pouco ortodoxas, vendendo cópias caras de certas mixtapes, mesmo quando as músicas eram distribuídas gratuitamente.

Fundou a Marathon Agency com os parceiros de negócios Karen Civil e Jorge Peniche. Eles projetaram a marca baseada em talentos para atrair um conjunto diversificado de clientes em todos os estágios de suas carreiras.

Hussle abriu a loja de roupas Marathon em 17 de junho de 2017, que ele fundou junto com os sócios Carless, Civil e seu irmão Samiel Asghedom. Abrir a loja neste cruzamento no distrito comercial de Crenshaw foi importante para ele porque ele queria investir e fornecer oportunidades em seu bairro de Hyde Park.

A loja é classificada como uma “loja inteligente”, que preenche a lacuna entre cultura e tecnologia, dando aos clientes acesso a músicas exclusivas e outros conteúdos criados por rappers por meio de um aplicativo criado pelo engenheiro de software Iddris Sandu. Um ano antes de sua morte, Hussle comprou o pequeno shopping center onde sua loja estava localizada, após uma parceria com o investidor imobiliário David Gross.

Então, meu irmão ou irmã que chegou até aqui, obrigado pela leitura, e esperamos que você se torne um grande empreendedor/empresário um dia.

Comentários do Facebook

Compartilhar:

Grandamambo Editorial

administrator