O caso Young Thug: até que ponto as letras das músicas podem ser usadas contra você no tribunal??

Recomendado
GM Teamhttps://grandamambo.com
Grandamambo é um Portal que centra o seu conteúdo na Promoção, Informação e Educação Musical, Cultural e Artística.

Desde muito cedo comecei a ter contacto com a língua inglesa, e consequentemente com a música Rap, principalmente americana, em inglês.

No auge do Gangsta Rap, notava-se muito rappers usam um certo tipo de linguagem “agressiva” e até certo ponto chocante, eles falavam sobre agressão, sobre roubo, sequestro, e até mesmo alguns casos sobre homicídio.

Mas a pergunta que sempre me fiz era a seguinte: “Esses gajos falam sobre tudo isso nas músicas e não são presos?”.

Os anos se passaram e pude confirmar que as letras das músicas podem ser usadas como evidências para uma determinada acusação, mas isso só é feito quando já existem outras provas que você realmente pratica o que fala nas músicas.

Inclusive em alguns casos elas podem ser usadas como confissão, como foi o do YNW Melly, o seu maior hit “Muder On My Mind” foi usado pelos promotores como uma alegada “confissão” aos crimes de assassinato dos seus 2 amigos.

E assim também tem sido o caso do Young Thug.

Sob o pseudônimo de Young Thug, Jeffery Lamar Williams, de 31 anos, vendeu mais de 2,5 milhões de álbuns e chegou a ser aclamado como “”o rapper mais influente do século 21”.

Mas os promotores de Atlanta, sua terra natal, não estão impressionados com isso.

Em maio, Williams foi preso por extorsão e acusações relacionadas a gangues e está preso desde então.

Mês passado, ele foi negado fiança pela terceira vez.

Os promotores alegam que a Young Stoner Life (YSL) Records, a gravadora de rap fundada por Williams, é a fachada de um sindicato do crime organizado responsável por “75 a 80% dos crimes violentos” na cidade.

Parte de sua evidência para fazer esse caso? As letras que conquistaram legiões de fãs do Sr. Williams.

“Eu nunca matei ninguém, mas tenho algo a ver com aquele corpo”, ele disse na música Anybody de 2018, por exemplo.

“Eu disse a eles para atirar cem rodadas.”

Os ouvintes de rap raramente hesitam com a predileção do gênero por referências violentas, mas os artistas de rap em tribunais de todo o país vêm descobrindo há anos que juízes e júris podem.

As letras de rap foram usadas em mais de 500 casos criminais nos Estados Unidos nas últimas duas décadas como prova.

Agora, um novo projeto de lei no Congresso dos EUA visa acabar com a prática, levantando questões sobre liberdade de expressão, expressão artística e raça.

A Restauração de Proteções Artísticas ou Lei do Rap foi introduzida no mês passado pelo congressista Hank Johnson, um democrata negro da Geórgia, que argumenta que o uso de letras de rap como prova criminal é “racista”.

“Trazer letras de rap para o processo de apuração de fatos muitas vezes é apenas outra forma de criar preconceito e preconceito nas mentes dos jurados e juízes, e isso está errado”, disse ele.

O Rap Act seria a primeira medida a fazê-lo em nível federal, embora ainda seja muito cedo para dizer se eventualmente se tornará lei.

Mas, independentemente de seu sucesso ou fracasso, a prisão de Young Thug deu impulso a artistas que pressionam por mudanças.

Michael Render, mais conhecido como rapper e ativista Killer Mike, está entre vários artistas de destaque que apresentaram Williams em suas músicas desde seu indiciamento, também argumentando que a prisão se encaixa em um ataque racialmente preconceituoso ao rap.

“Se você estivesse escrevendo um filme e acontecesse algo coincidentemente semelhante ao filme, não vou acusar você e todo o seu filme de cartel”, disse Render.

Por outro lado, “o rap é uma fruta fácil de atingir porque a maior parte da sociedade não vai lutar pelos direitos daqueles que consideram inferiores ou por uma forma de arte que consideram inferior”.

“O hip hop é arte, é literatura, é poesia, é liberdade de expressão, é jornalismo e deve ser protegido como tal”, disse Jamaal Bowman, um congressista cujo distrito inclui o Bronx, em Nova York, o berço do hip hop. “Não deve ser criminalizado.”

E você leitor, o que tens a dizer sobre esse assunto pertinente??

 

- Advertisement -spot_img
- Advertisement -spot_img
- Advertisement -spot_img
Recentes

O rapper Deezy acaba de lançar a sua nova mixtape intitulada “Deezygual 3 – O Gaúcho” Hosted By Mizzy Miles.

O projecto de 9 faixas musicais conta com as presenças de Altifridi, Puto Mira, Principe Ouro Negro, Vado Más...
- Advertisement -spot_img
- Advertisement -spot_img

Veja Também

- Advertisement -spot_img
×